fbpx

Conheça os reforços do Londrina para a Série B

Share this...

Ao todo, o Londrina terá sete novos jogadores para estrear na Série B, que começa na próxima sexta-feira

Por Vinícius Eira
Fotos: Gustavo Oliveira, Ricardo Chicarelli e Jefferson Bachega/Londrina EC

A Série B começa nesta sexta-feira (28), com o Londrina fazendo a partida de estreia da competição contra o Brasil de Pelotas, fora de casa. E para fazer bonito no que promete ser a melhor segunda divisão de todos os tempos, o clube alviceleste tirou a mão do bolso e trouxe sete novos reforços. Conheça agora um pouco mais sobre cada um deles.


Caprini
Série B
Foto de Ricardo Chicarelli/Londrina EC

Nome: Maurício Caprini Pinto;
Data de nascimento: 11/11/1997 (23 anos);
Natural de: Caxias do Sul (RS);
Posição: Ponta;
Pé dominante: esquerdo;
Altura: 1,67 m;
Times que atuou: Juventude (2015-2018), Athletico Paranaense sub-23 (2018), Juventude (2019), Esportivo-RS (2020) e Ypiranga (2020 e 2021).

O atacante de beirada chegou. Só não é da Série A como havia falado Sérgio Malucelli, mas Caprini vem para suprir uma necessidade do elenco alviceleste, que tem poucas opções de velocidade pelos lados. Além disso, é um dos jogadores ex-Ypiranga que agradou ao Londrina na última Série C, e ter antigos companheiros por aqui ajudou em sua chegada.

Rápido, canhoto e com repertório ofensivo vasto, Caprini começou na base do Juventude, foi emprestado ao Athletico, Esportivo de Bento Gonçalves e Ypiranga, onde se destacou mais, ajudando a equipe de Erechim a brigar por uma vaga à Série B, e marcando 11 gols em 33 jogos. O atacante chega para ser aquela opção ágil pelos lados do campo e imprimir a intensidade que Roberto Fonseca tanto busca. Caprini nunca disputou a Série B, e na temporada de 2021, atuou em 12 jogos e marcou quatro gols.


Gabriel Furtado
Série B
Foto de Ricardo Chicarelli/Londrina EC

Nome: Gabriel Vinicius de Oliveira Furtado;
Data de nascimento: 09/12/1999 (21 anos);
Natural de: Taubaté (SP);
Posição: Volante/zagueiro;
Pé dominante: direito;
Altura: 1,81 m;
Times que atuou: Base do São Carlos (2014), base do Paraná Clube (2015 e 2016), base do Palmeiras (2016), Palmeiras (2017-2019), Getafe B-ESP (2020) e Vitória (2020).

Para encorpar o sistema defensivo, o Londrina foi atrás de uma fórmula que já deu certo em outros anos: o empréstimo de promessas de grandes equipes da Série A. E assim como Artur, Augusto, Vagner, Léo Passos, Matheus Neris, Gabriel Barbosa e Lincoln, o LEC foi buscar ‘volante-zagueiro’ Gabriel Furtado no Palmeiras.

Com muita força física, e pontos fortes na marcação, impulsão para a bola aérea e qualidade na saída de jogo, Gabriel Furtado destacou que a torcida pode esperar muita vontade e luta, de um jogador que já conhece a Série B. No último ano, ele esteve no Vitória, e disputou sete partidas (quatro como titular) na segunda divisão. Ao todo, terminou com uma média por jogo de 57 minutos em campo, 88% de passes certos, 1 interceptação, 0.9 desarmes, 2 bolas afastadas, 66% dos duelos vencidos, mas 3.7 bolas perdidas. Gabriel não atua em uma partida desde então.

Mapa de calor de Gabriel Furtado na Série B de 2020 com o Vitória (Reprodução/Sofascore)

Mossoró
Série B
Foto de Ricardo Chicarelli/Londrina EC

Nome: Vitor Hugo da Silva Nunes;
Data de nascimento: 05/06/1996 (24 anos);
Natural de: Júlio de Castilhos (RS);
Posição: Meia;
Pé de preferência: direito;
Altura: 1,79 m;
Times que atuou: Base do Grêmio (2013 e 2014), base do Juventude (2014), Juventude (2014 e 2015), base do Internacional (2016 e 2017), Brasil de Pelotas (2018), Novo Hamburgo (2019), ABC (2019), Novo Hamburgo (2020), Ypiranga (2020 e 2021).

Outro destaque da Série C com o Ypiranga vai vestir a camisa do Londrina em 2021. E para alimentar o ataque alviceleste na busca pelo acesso, o clube contratou Mossoró, em definitivo. O meia atuou a maior parte da carreira no Rio Grande do Sul, e se destacou com a camisa canarinha do Ypiranga em 2020, orquestrando o poderoso ataque da equipe de Erechim.

Meia de muita mobilidade, boa condução, facilidade no passe, chegada na área e verticalidade, Mossoró chega para ser uma sombra para Adenílson, ou tomar a posição de Bianqui em um esquema mais ofensivo.

Nesta temporada, pelo Ypiranga, ele disputou 13 jogos (todos como titular), e marcou dois gols. Já em Série B, apenas uma na história, com o Brasil de Pelotas em 2018. Naquela oportunidade, atuou em seis jogos (quatro como titular), com nenhum gol ou assistência. Ao todo, ficou com uma média por jogo de 54 minutos por partida, 1.3 chutes (com apenas 0.3 no gol), 39 toques na bola, 79% de aproveitamento no passe, 1.3 desarmes e 11 posses partidas.

Mapa de calor do Mossoró na Série B de 2018 com o Brasil de Pelotas (Reprodução/Sofascore)

Ricardo Luz
Foto de Jefferson Bachega/Londrina EC

Nome: Ricardo Luz Araújo;
Data de nascimento: 23/02/1995 (26 anos);
Natural de: Nova Lima (MG);
Posição: Lateral direito;
Pé de preferência: direito;
Altura: 1,76 m;
Times que atuou: Vila Nova-MG (2015), Araxá-MG (2016), Vila Nova-MG (2016), Social-MG (2017), Democrata-MG (2017), Guarani-MG (2018), base do Atlético Goianiense (2018), Araxá-MG (2018), Brasil de Pelotas (2019), Santo André (2020), Remo (2020) e Novorizontino (2021).

Um dos pontos de maior preocupação no Londrina no início da temporada foram as alas. E para deixar de vez esse problema para trás, o clube foi buscar um dos melhores laterais do Campeonato Paulista e da Série C de 2020: Ricardo Luz. O atleta foi formado e passou parte da carreira no futebol mineiro, se destacou no Brasil de Pelotas, fez grande estadual e Série C por Santo André e Remo, respectivamente, até chegar no Novorizontino.

Com velocidade, forte chegada a linha de fundo e bom cruzamento, Ricardo Luz se destaca como um lateral bastante ofensivo. Em seu último clube, o Novorizontino, foram 11 jogos (nenhum como titular). Já experiência em Série B, só teve em uma temporada, com o Brasil de Pelotas, em 2019. Naquela oportunidade, foram 25 jogos (20 como titular), com médias por jogo de 77 minutos jogados, 55 toques na bola, 4 grandes chances criadas, 63% de aproveitamento no passe, 2.4 interceptações, 2 desarmes, 49% dos duelos vencidos e 19 posses de bola perdidas. Além disso, Ricardo levou seis cartões amarelos e um vermelho.

Mapa de calor do Ricardo Luz na Série B de 2019 com o Brasil de Pelotas (Reprodução/Sofascore)

Talison
Série B
Foto de Ricardo Chicarelli/Londrina EC

Nome: Talison Ruan da Silva;
Data de nascimento: 20/06/2000 (20 anos);
Natural de: Araguaína (TO);
Posição: Lateral direito;
Pé de preferência: direito;
Altura: 1,89 m;
Times que atuou: base do PSTC (2016), base do Atlético Mineiro (2017-2020) e Atlético Mineiro (2020).

E para deixar a lateral direita ainda mais afiada, o Londrina foi atrás de um ala que é tido como uma das grandes promessas da sua geração: Talison. Apesar de ser natural do Tocantins, o atleta começou no futebol em Londrina, na base do PSTC, mas após grande Copa BH de 2016, foi para o Atlético Mineiro, e se afirmou rapidamente na ‘cantera’ mineira, ajudando o Galo a ser campeão brasileiro sub-20 em 2020, sendo titular absoluto na campanha.

Lateral versátil, com chegada a linha de fundo, rápido, mas defensivo também com boa noção de antecipação e desarme, Talison foi emprestado com recomendação do técnico Cuca para que adquira rodagem e experiência no LEC. Na equipe principal do Atlético, o ala teve três oportunidades na Série A em 2020, na equipe comandada por Jorge Sampaoli, e terminou com uma média por jogo de 59 minutos jogados, 53 toques na bola, 82% de aproveitamento no passe, 4 interceptações, 1.7 desarme, 50% dos duelos vencidos e 11 perdas da posse de bola.

Mapa de calor do Talison na Série A de 2020 com o Atlético Mineiro (Reprodução/Sofascore)

Tárik
Série B
Foto de Ricardo Chicarelli/Londrina EC

Nome: Tárik Michel Kedes Boschetti;
Data de nascimento: 18/02/1993 (28 anos);
Natural de: Erechim (RS);
Posição: Volante;
Pé de preferência: direito;
Altura: 1,83 m;
Times que atuou: base do Internacional (2010-2012), base do Athletico Paranaense (2013), Athletico Paranaense (2014), Ferroviária (2014), Osaka-JAP (2015), Pusamania Borneo-POL (2016), Honka-FIN (2016), Portuguesa (2017), Virtus Francavilla-ITA (2018), Ypiranga (2018), Platanias Chania-GRE (2018/2019), Ypiranga (2020) e Ituano (2021).

Para fechar a trinca de reforços com passagem pelo Ypiranga na Série C de 2020, faltou só o líder daquela equipe. Tárik chega ao Londrina para ser uma referência dentro do grupo. Com experiência na Europa e Ásia, além do Paulista desse ano, o ítalo-brasileiro busca preencher a lacuna deixa desde a aposentadoria do Germano.

Primeiro volante de marcação, mas com qualidade na saída de bola, boa chegada ao ataque e finalização de longa distância, Tárik se movimenta bastante no área-a-área, auxiliando tanto na marcação, como no jogo apoiado. O jogador nunca disputou uma Série B, mas foi peça importante do Ituano no Paulistão 2021. Ao todo, foram 13 jogos, e médias por partida de 72 minutos jogados, 42 toques na bola, 87% de aproveitamento no passe, 0.9 interceptações, 1.2 desarmes, 45% dos duelos vencidos, 6 posses perdidas e 2 faltas.

Mapa de calor do Tárik no Paulistão 2021 com o Ituano (Reprodução/Sofascore)

Tiago Orobó
Série B
Foto de Gustavo Oliveira/Londrina EC/Arquivo

Nome: Tiago Pereira da Silva;
Data de nascimento: 28/10/1993 (27 anos);
Natural de: Orobó (PE);
Posição: Atacante/Ponta;
Pé de preferência: direito;
Altura: 1,88 m;
Times que atuou: Timbaúba-PE (2011), Araripina-PE (2012), Porto-PE (2013 e 2014), Socorrense-SE (2014 e 2015), Coruripe-AL (2015), Jacuipense-BA (2016), Confiança (2016), Campinense (2017), Qadsia-KW (2018), Maringá (2019), América-RN (2020), Fortaleza (2020), Ponte Preta (2020) e Fortaleza (2021).

Por último, mas não menos importante, O Londrina trouxe mais uma opção para o ataque de Roberto Fonseca. Tiago Orobó, que até foi inscrito para o Campeonato Paranaense, mas foi poupado pela comissão técnica para a Série B por vir com uma lesão, chegou por empréstimo, e com bastante expectativa, principalmente a de recuperar sua melhor forma, quando estava na América-RN no primeiro semestre de 2020, e era o artilheiro do Brasil marcando 14 gols em 20 jogos.

Com muita imposição física, Orobó é centroavante de origem, mas tem preferência para atuar pelos lados do campo. O jogador tem passadas largas, bom repertório ofensivo, intensidade e facilidade no posicionamento dentro da área e no cabeceio. Em Série B, Orobó pode atuar 11 jogos pela Ponte Preta no ano passado, com quatro deles como titular. Por lá, marcou dois gols e terminou com uma média por jogo de 38 minutos, 1 chute a gol, 15 toques na bola, 73% de aproveitamento no passe, 71% de sucesso nos dribles e 50% de duelos aéreos vencidos.

Mapa de calor do Tiago Orobó na Série B de 2020 com a Ponte Preta (Reprodução/Sofascore)

Leia mais

Prestes a completar 100 jogos com o Londrina, Marcondes celebra classificação e projeta semifinal difícil
Com primeiro tempo arrasador, Londrina vence o Cianorte e garante vaga à Copa do Brasil 2022

BAIXE O APLICATIVO DA TUBARÁDIO GRATUITAMENTE!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *