fbpx

EXCLUSIVO – Ayrton relembra sua passagem pelo LEC, revela histórias de bastidores e declara: “Seria gratificante me aposentar no Londrina”

Share this...

O TubaCast desta semana é com o lateral Ayrton, que passou pelo Londrina em 2007, 2011 e 2012, e abriu o jogo sobre sua carreira e carinho que tem pelo LEC e pela cidade

Por Vinícius Eira

Mais um TubaCast no ar, e novamente com entrevista de peso. Desta vez nossa equipe bateu um papo com o lateral Ayrton, que teve breve passagem em 2007, mas se destacou de fato com a camisa alviceleste nas temporadas 2011 e 2012, sendo um dos líderes daquele grupo que reergueu o clube, e recolocou o Londrina na elite do futebol paranaense.

Ayrton Luis Ganino tem 35 anos, é natural de Piracicaba (SP), e começou sua carreira no futebol pelo Velo Clube-SP, em 2005. Depois disso, passou por Paraná, Iraty, Londrina em 2007, Avaí, Bahia, Botafogo-SP, Atlético-GO e Americano. Em 2011, disputou a primeira divisão do Campeonato Paranaense pelo Iraty, e no segundo semestre arrumou as malas e se mudou para Londrina junto com a SM Sports.

Ayrton se lembra com carinho do período que vestiu a camisa do Londrina, e diz ser um dos clubes que mais o marcaram, tanto pela fase dele no Tubarão, que alavancou sua carreira, como por tudo que a torcida representou para ele também. Ayrton destacou o LEC com um dos pontos altos de sua passagem pelo futebol, que ainda teve Coritiba, Palmeiras, Flamengo e outros.

“Eu tive três marcos na minha carreira, mas não escondo de ninguém que o ponto forte, onde eu apareci para o futebol, foi no Londrina. Antes, eu tive passagens por várias equipes, mas a partir do momento que eu voltei para o Londrina, tudo se encaixou e tenho um carinho enorme pelo clube, que deveria estar na Série A por tudo que tem”, salientou.

O lateral disse que veio a pedido do Sérgio Malucelli, com o intuito de reerguer o Londrina, e que o próprio clube ajudou a levantar a carreira de muitos jogadores daquele elenco. E logo em sua primeira temporada dessa segunda passagem, Ayrton foi o capitão e responsável por erguer o troféu da Divisão de Acesso, participando de quase todas as partidas da brilhante campanha, e marcando seis gols.

O Londrina garantiu o retorno a elite estadual contra o Nacional, em Rolândia (Roberto Custódio/Jornal de Londrina)

Sobre aquele certame, o lateral relembra com carinho da reta final, marcando gol em jogo que praticamente garantiu o acesso, e na ida da grande decisão, mas por outro lado perdendo pênalti no último jogo, no Estádio do Café. E sobre isso, Ayrton também abriu o jogo, afirmando que passou um filme na cabeça, mas como ele era um dos líderes, chamou a responsabilidade, foi para a cobrança, infelizmente desperdiçou, mas o título veio no fim.

Já em 2012, o Londrina retornou a elite do futebol Paranaense, e um dos jogos que mais marcaram a campanha daquele estadual teve como personagem principal justamente o lateral. No dia 28/03/2012, o Tubarão perdeu por 1 a 0 para o Coritiba, no Couto Pereira, em uma partida que deveria terminar empatada já que o árbitro Evandro Rogério Roman, junto com o assistente Bruno Boschilia invalidaram um gol olímpico de Ayrton.

“Fizeram estudos da trajetória da bola, da curva, e não tem explicação o que o bandeirinha fez. A bola não é cobra para fazer várias curvas para entrar no gol, não existe isso. Fui em cima da arbitragem e falei ‘vocês estão loucos, não é possível vocês fazerem um negócio desses’. Ainda naquele ano fui para o Coritiba, e quando cheguei lá foi uma das brincadeiras que teve, com o pessoal enchendo o saco do Vanderlei (goleiro do Coritiba na época). Até o presidente do Coxa disse que realmente o bandeira fez algo naquele jogo. Não dá para entender.”

Ayrton e a conversa com o assistente Bruno Boschilia sobre o gol olímpico (Reprodução/RPCTV)

E falando em gol olímpico, Ayrton foi um dos últimos especialistas em bolas paradas que passou pelo Londrina, e destacou que acha que tem o dom em cobranças de faltas, pênaltis, finalizações de fora da área, mas também disse que treinava muito essas situações, além de se espelhar em outros jogadores como Arce, Marcelinho Carioca, Marcos Assunção, Roberto Carlos e Nem, com quem jogou no LEC em 2007. O lateral também afirmou que hoje em dia não temos tantos especialistas de bola parada porque os novos jogadores não se dedicam tanto ao fundamento, e os próprios treinadores não conseguem identificarem atletas com essa característica e focar ao máximo nisso.

Ayrton, que era conhecido como ‘filho do Sérgio’ em sua passagem pelo Londrina, abriu o jogo sobre sua relação com o gestor, da qual disse ter uma grande admiração e respeito, mas afirmou que batia de frente com ele, e não só para conversar ou cobrar o SM, como também para proteger os mais jovens do elenco, que as vezes se sentiam pressionados com a cobrança que era feita, e da forma que era feita. Ainda sobre os episódios de explosão característicos de Malucelli, Ayrton nos revelou um episódio de quando o grupo do Iraty pregou uma peça no chefe.

“Ele entrava direto chutando bola bravo, chutava lixo, batia porta e xingando. Aí teve uma vez lá em Iraty que nós colocamos uma bola de areia no vestiário, aí a primeira coisa que ele viu quando entrou foi a bola e deu uma bicuda nela. Naquele dia ele saiu rapidinho, acho que ficou com dor no pé e foi embora”, contou aos risos.

Ayrton não joga desde 2018, quando passou pelo CRB, mas afirmou que está com uma proposta para jogar em Luxemburgo, mas com as restrições dos países sobre brasileiros por conta da variante de coronavírus que circula por aqui, ele tem que esperar até o fim de julho. Só que desejo de parar mesmo, ele tem no Londrina, e revelou que seria gratificante se aposentar como atleta do LEC.

O lateral ainda nos contou mais detalhes sobre aquela equipe que reergueu o Londrina a partir de 2011, seu carinho pela cidade e o clube, relação e treinos com Tencati, futuro como treinador, dificuldades no Londrina em 2007, estrutura da SM Sports, diferença do Estádio do Café para o VGD, além da carreira no Coritiba, Palmeiras e Flamengo e muito mais. Confira a conversa completa abaixo, ou em seu agregador de podcast favorito.

LEIA MAIS: Londrina anuncia parceria com a Drogamais e chega a 15 patrocinadores na temporada
EXCLUSIVO – Vitor abre o jogo sobre sua passagem no LEC, opção religiosa, volta aos gramados e afirma: “Quando eu vestia o manto, me sentia o Super-Homem”
Roberto Fonseca espera Série B difícil, mas celebra retorno ao Londrina e destaca: “Aqui é a minha casa”

BAIXE O APLICATIVO DA TUBARÁDIO DE FORMA GRATUITA!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *